Blog dos alunos do curso de Empreendedorismo e Sucessão da Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul matriculados na disciplina 25438W-04 - Liderança e Negociação no segundo semestre de 2007 - turma 670

Loading...

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Líder: Carlos Wizard Martins

Carlos Wizard Martins é o criador da escola de idiomas Wizard. Ele nasceu em 1956, em Curitiba. Aos dez anos ele já vendia roupas costuradas por sua mãe. Em 1969, Carlos Wizard teve os primeiros contatos com a língua inglesa, em aulas com missionários americanos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons). Em 1974, já com um domínio maior da segunda língua, Martins parte para os Estados Unidos, onde fica por um ano e meio, e de lá segue como missionário mórmon para a Europa, onde permanece por mais dois anos. Depois de retornar ao Brasil e se casar com Vânia, Martins vai novamente para os Estados Unidos, desta vez para estudar idiomas na Universidade de Brigham Young, em Utah, onde depois veio a trabalhar como professor.
A idéia de fundar a escola surgiu quando o empresário morava nos Estados Unidos. Ao estudar ciência da computação na Universidade de Brigham Young, em Utah, Wizard Martins foi convidado para ser instrutor de português no centro de idiomas para missionários mórmons da própria universidade. Lá eles usavam um método de ensino revolucionário, inovador e extremamente eficiente, onde mais de 30 mil alunos estudam idiomas. É lá que está sediado o famoso MTC - Centro de Treinamento de Missionários da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, onde mais de 50 idiomas são ensinados regularmente.
Milhares de jovens chegam analfabetos num segundo idioma e após oito semanas de curso são capazes de se expressar livremente no idioma estudado. Esta metodologia foi o embrião da Wizard Idiomas. Este método consiste no processo natural de aquisição da língua materna: o aluno aprende primeiro a falar, depois começa a ler e finalmente a escrever.
Na fundação da escola, em 1987, a mensagem veiculada na mídia foi: "Fale Inglês em 24 Horas". A concorrência logo acionou o Código de Defesa do Consumidor sob a acusação de propaganda enganosa! O que se viu foi um crescimento vertiginoso no número de alunos sendo matriculados e no número de pessoas interessadas em abrir uma escola de idiomas com a marca Wizard.
Fruto da credibilidade e da resposta que o método proporcionou, através do marketing "boca a boca" adquirido pela eficiência e resultados práticos demonstrados, as franquias multiplicaram-se.
Hoje, duas décadas depois de abrir sua primeira escola de inglês, em Campinas, ele lidera uma rede com 1.220 estabelecimentos no País, com 500 mil alunos e um faturamento anual de R$ 750 milhões. Deu tão certo que até mudou o nome para Carlos Wizard Martins, incorporando a própria marca em seus documentos pessoais. A primeira lição é que é preciso, antes de tudo, ter ambição. “Sobe na vida quem tem motivação para subir”, afirma Afonso Otávio Cozzi, professor de empreendedorismo e inovação na Fundação Dom Cabral, uma escola de negócios de Minas Gerais. “O empreendedor tem a chance de montar um negócio com base em um sonho pessoal. O empregado, muitas vezes, vive o sonho dos outros”, diz Cozzi.
Para ter sucesso, o empreendedor precisa não só acreditar em suas propostas, mas também convencer os outros de sua viabilidade. Quando começou, o dono da Wizard prometeu aos seus primeiros alunos que eles poderiam aprender inglês em 24 horas, num curso baseado na conversação. “Provei que era possível ensinar 100 frases por hora. Depois de 24 horas/aula, o aluno domina 2.400 frases e já consegue se comunicar em inglês”, afirma Martins. “O entusiasmo o leva a contratar mais 24 horas e a seguir aprendendo.” O mercado comprou sua idéia e aproveitou a onda das franquias para expandir os negócios. Como tinha planejado, desde o início. “O sucesso não acontece por acaso”, insiste. “Planejamento é fundamental.”
O espírito de liderança de Martins contamina todos a seu redor e se espraia em todos os níveis. Sob o slogan “inglês com liderança”, a Wizard usa uma metodologia que estimula a livre expressão, a vitória sobre inibições e bloqueios, além de desenvolver técnicas de automotivação e liderança. Muitos alunos e ex-alunos ocupam cargos de comando nas empresas que trabalham ou nas comunidades em que vivem.
Martins dedica parte considerável de seu tempo a atividades comunitárias, sociais e religiosas, mas no momento, toda sua atenção está voltada para o fortalecimento e consolidação das empresas do Grupo, em especial para reforçar o posicionamento de liderança da marca Wizard.
Carlos Wizard se diz satisfeito ao ver que os alunos, ao completarem seus cursos, “estão aptos para irem aos Estados Unidos, para faculdades do exterior, sendo qualificados em exigentes exames internacionais. Essa é nossa maior contribuição cultural”.
Martins é um missionário mórmon e recentemente passou três anos, em companhia de sua mulher, desenvolvendo atividades religiosas, culturais e sociais com jovens brasileiros e americanos no Nordeste do país. Nesse período, seus filhos seguiram seus passos e assumiram a diretoria da empresa, o que lhe deixou muito orgulhoso. “Hoje uma satisfação que eu tenho é ver que meus dois filhos estão assumindo cada vez mais responsabilidade no Grupo, e eu vejo que muitos franqueados têm seus filhos participando do negócio Wizard em conjunto”, diz Martins. Uma grande família formada por mais de 15 mil funcionários e meio milhão de alunos, distribuídos em cerca de 1,2 mil unidades, 15 delas no exterior, sendo dez nos Estados Unidos, quatro no Japão e uma em Portugal, instalada no ano passado como base para a expansão no mercado europeu.



Questão escolha simples:
Em que ano nasceu Carlos Wizard Martins?
a) 1988
b) 1978
c) 1929
d) 1945
e) 1956

Questão dissertativa:
Quando Carlos Wizard teve seu primeiro contato com a língua inglesa e quem dava aulas para ele?
Resposta esperada:
“Ele teve o primeiro contato com o inglês em 1969, quando tinha 13 anos, e quem dava aulas para ele eram os missionários mórmons.”